“Só não há solução para a morte”, dizem prefeitos do CIF sobre ações de prevenção ao coronavírus

Share Button

Os prefeitos do Consórcio Intermunicipal da Fronteira concederam entrevista coletiva a imprensa local durante a tarde de hoje (18), na sede do Consórcio Intermunicipal da Fronteira onde falaram sobre as ações que os municípios de Barracão, Bom Jesus do Sul e Dionísio Cerqueira tem tomado para tentar evitar uma proliferação do novo coronavírus.

 

De acordo com os prefeitos desde segunda tem se tomado medidas que suspendem qualquer evento que tenha aglomeração de pessoas. De acordo com os executivos as medidas tomadas nas últimas horas são de prevenção.

 

“A gente tem acompanhado essa pandemia, o estrago que tem feito mundo afora e a gente só vai vencer essa batalha se houver união. Essa parceria que a gente tem através do consórcio colaborou para que tivéssemos as mesmas medidas, soluções entre os três municípios, entre as nossas equipes, principalmente na  área da saúde. Acho que as ações fundamentais foram o fechamento das escolas e creches. São importantíssimas essas ações que nós estamos fazendo quanto a conscientização da população. Acho que o grande remédio para o coronavírus é conscientizar a população quanto aos cuidados a serem tomados. Todo esse trabalho ele só vai ser possível se nós continuarmos com essa parte da população se nós continuarmos fazendo com que a população não vá ao posto de saúde e vá ao hospital em caso de extrema necessidade sob pena de não ter nenhum problema, ir ao hospital e acabar sendo contagiado por qualquer doença. Esse é o nosso pedido, essa exigência que está tendo em Santa Catarina na Argentina não pode ser levada pro lado de um sentimento de férias que é o que aconteceu na Itália, as pessoas foram impedidas de trabalhar, fechados os comércios e empresas, mas as pessoas achavam que era férias, começaram a passear, se divertir, ir para a praia, restaurantes e acabaram piorando a situação. Todo esse esforço é para que as pessoas se mantenham em casa para que o vírus não se espalhe certo. A gente ainda tem um pouco de tranquilidade porque o vírus não causa muito muitos danos à saúde das pessoas que tem saúde boa, mas infelizmente ataca as pessoas que já tem algum problema de saúde, alguma doença crônica ou as pessoas mais idosas. Então a gente toma essas medidas para evitar um problema maior”, diz o presidente do CIF, prefeito Marco Zandoná.

 

Reunião na Amsop

 

Na tarde de ontem (17), os prefeitos de Barracão e Bom Jesus do Sul participaram de uma reunião na sede da Amsop (Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná), onde a maioria dos prefeitos entrou no consenso de que escolas municipais e centros de educação infantil devem ter suas atividades provisoriamente suspensas. Esta é a principal recomendação das prefeituras da região, como medida preventiva para conter a proliferação do coronavírus e segue o mesmo parâmetro adotado pelo Governo do Estado ao decretar a suspensão de aulas em universidades e colégios.

 

Reunião na Amsop – Hospital Regional

 

De acordo com o que foi apresentado na reunião as principais ações neste momento estão voltadas à prevenção da proliferação e triagem de eventuais pacientes. O Hospital Regional de Francisco Beltrão preparou leitos de UTI isolados para atender os pacientes que tiverem insuficiência respiratória causada pelo coronavírus e pode ampliar o número de leitos caso haja necessidade.  A instituição chamou de volta profissionais de férias e em licença, está contratando mais técnicos e enfermeiros e suspendeu cirurgias eletivas e novas consultas a partir da próxima semana. O HRS é o hospital referência na região para atender os casos graves de coronavírus, mas não a porta de entrada de pacientes que estiverem com a doença, ressaltaram os diretores do Regional.

 

“Ontem (17), o doutor Leonardo que é o diretor técnico do Hospital Regional afirmou que em torno de 6% dos pacientes atingidos necessitarão de utilização de leitos de UTI e essas tentativas e impor barreiras que alguns acham exagero ao vírus é porque sabemos que ele vai chegar, mas se vir, que ele possa chegar de maneira não em um único momento. E se isso acontecer não sendo em um único momento, teremos condições de atender todos os pacientes, mas se isso acontecer de maneira muito rápida, nós estaremos perdendo pessoas por falta de leitos. Hoje no sudoeste, temos dez leitos no hospital São Francisco, via SUS, 10 leitos no Hospital Regional, 10 ou 12 leitos na Policlínica que são particulares e aí tem Pato Branco que tem mais 25, 30 leitos e Palmas seriam os nossos leitos de UTI. Ontem o governo do estado do Paraná já anunciou que serão aumentados mais sete leitos de urgência no Hospital Regional de Francisco Beltrão, será fechada uma ala do hospital que era utilizadas para consultas eletivas e esse espaço será armado praticamente uma UTI temporária, porque o principal que o paciente em alguns casos necessita é o tubo”, diz o prefeito Cézar Bueno.

 

Idas desnecessárias ao hospital e postos de saúde

 

O prefeito de Dionísio Cerqueira Thyago Gnoatto reforçou a necessidade da população evitar idas desnecessárias aos hospitais e unidades de saúde e procurar ajuda via telefone e aplicativos.

 

“Se a pessoa apresentar os três principais sintomas do coronavírus que febre alta por mais de 3 dias, falta de ar, tosse persistente em um primeiro momento ela pode ligar no 192, que é o telefone do SAMU que vai até a casa, vai fazer uma primeira abordagem, os profissionais do SAMU são preparados e tem condições de definir qual o encaminhamento que vai ser dado. Isso é uma medida que vai beneficiar o próprio paciente, porque se ele não estiver contaminado, ele não vai precisar ir lá no hospital e daqui a pouco ser contaminado por alguém que está circulando por lá. E vai beneficiar as pessoas que estão no dia a dia do hospital. Então ligue 192, o SAMU está preparado para fazer essa abordagem, tem  um aplicativo do Ministério da Saúde que está sendo disponibilizado nas redes sociais, grupos de WhatsApp em que a pessoa baixa e tira todas as dúvidas ali ele é muito didático e a pessoa tem condições de ter uma noção bastante precisa se ele tem ou não e sintomas e se ele precisa ou não de um atendimento médico. A gente conta com a compreensão de toda a nossa população e eu tenho certeza de que juntos nós vamos superar todas as dificuldade e lá na frente a gente vai ver que valeu a pena adotar essas medidas restritivas que estão sendo implementadas agora,” disse o prefeito.

 

 “Só não tem solução para morte”

 

O prefeito de Dionísio Cerqueira Thyago Gnoatto lamentou que tal situação vai afetar a economia local e nacional e os impactos ainda não são mensuráveis.

 

“O ano de 2020 tinha um cenário que vinha caminhando para um patamar de crescimento da economia, a partir desse momento todas as previsões econômicas já estão apontando para um cenário muito negativo, inclusive de recessão, ou seja, o país vai deixar de crescer. É um quadro bastante preocupante, mas que nós temos que ter bastante inteligência, sabedoria e calma para superar esse momento de dificuldade. Quero aproveitar para agradecer a nossa comunidade da tri-fronteira que de maneira geral vem tendo uma compreensão muito grande, as pessoas estão percebendo a gravidade disso, de que é muito melhor, apesar dos estragos na parte econômica, a gente suportar isso nesse momento, do que a gente ter que enfrentar um problema de saúde que gere uma calamidade pública e que traga prejuízos irreversíveis para vida pessoal. Para tudo tem solução nesse mundo, só não tem solução para morte, e se não cuidarmos, podemos chegar numa situação de caos como chegou a Itália. Então essas medidas são preventivas no sentido de a gente garantir a nossa saúde.

 

Os prefeitos reforçaram também para que a população se informe através de mídia e de veículos de comunicação que tenham um histórico de coberturas da realidade local e nacional, evitando se informar por fontes não confiáveis, que muitas vezes chegam a população via redes sociais e que acabam espalhando caos na população como o fato registrado no fim de semana em que uma publicação falsa falava da existência de um caso de Corona Vírus em Dionísio Cerqueira.

 

Aduana de Cargas está funcionando

 

Desde terça-feira (17), a aduana de pedestres no lado argentino está fechada por determinação do governo federal daquele país, porém o trabalho na aduana de cargas continua normalmente, mas com um cuidado mais redobrado quanto a saúde dos trabalhadores. Segundo o prefeito de Dionísio Cerqueira Thyago Gnoatto o funcionamento da aduana garante que alguns alimentos e medicamentos não faltem a população dos dois países.

 

“Por determinação do governo argentino está proibido o fluxo de pessoas entre os dois países, apesar de não haver impedimento do lado Brasileiro visto que governo brasileiro não expediu nenhuma medida trancando a fronteira, mas em relação a essa medida do governo argentino que  acaba afetando o lado brasileiro é importante destacar que apenas a aduana de turismo está fechada, a de cargas está funcionando assim como estão funcionando outros portos de Santa Catarina. A intenção é evitar que além dessa crise no sistema de saúde ocorra algo na economia com uma crise de desabastecimento que venha a faltar alimento nos mercados, medicamentos nas farmácias. Transportes marítimos quanto os esportes terrestres estão funcionando. Em Dionísio Cerqueira também o nosso Porto Seco está funcionando, porém tanto a Fipe que é o órgão equivalente a Receita Federal da Argentina, quanto à Receita Federal adotam uma série de medidas para prevenir e resguardar a saúde dos funcionários e de todas as pessoas que frequentam o recinto aduaneiro, despachantes aduaneiros, motoristas e todas as pessoas que circulam lá,” diz o prefeito cerqueirense.

O Gnoatto afirmou que já estudada a possibilidade de disponibilizar uma equipe médica para avaliar a saúde dos trabalhadores que dão entrada na aduana e se caso constatados sintomas semelhantes ao coronavírus dar o devido encaminhamento para o tratamento.

 

“Hoje nos chamaram para uma reunião, porque eles precisam de um auxílio dos nossos municípios no sentido de agente disponibilizar uma equipe de profissionais da saúde para fazer abordagem desses motoristas no momento em que eles entram na aduana brasileira, para que o profissional de saúde então possa fazer um questionário para motorista e ver como é que está a situação de saúde dele, medir a pressão, temperatura corporal, questionar se tem dor de garganta, falta de ar. Enfim fazer um questionamento para ver se o motorista apresenta algum dos sintomas que caracterizam o coronavírus e uma vez feita essa identificação a gente então vai criar um protocolo para definir qual encaminhamento a ser dado para esse motorista. É uma medida que objetiva também resguardar o ambiente de trabalho desses profissionais, até mesmo para que não haja uma interrupção no transporte de cargas, seja na importação e na exportação de mercadorias, porque isso também, os impactos são grandes e havendo um bloqueio da nossa aduana de cargas, certamente isso traria mais prejuízos para o nosso comércio local principalmente,” afirma Thyago.

 

Os prefeitos agradeceram a compreensão que a população tem tido diante da situação e ressaltaram a importância da prevenção, citando a situação da Itália, em que não houve muita preocupação com a doença no início das contaminações.

 

MAIS

Portal da TransparênciaCaderno de Ações

ATENDIMENTO

Segunda a Sexta das


08:00 às 11:30 e das 13:30 às 17:00

+55 (49) 3644 - 4366


ENDEREÇO


Avenida Brasil nº33, Bairro Alvorada, Anexo a Estação do Ofício - Barracão - Paraná - Brasil


CIF - Consórcio Intermunicipal da Fronteira ® 2020 Todos os direitos reservados
Desenvolvimento: PORTAL TRI